Please use this identifier to cite or link to this item: http://guaiaca.ufpel.edu.br:8080/handle/123456789/1537
metadata.dc.type: Dissertação
Title: O povo em Maquiavel como guardião da liberdade
Other Titles: O povo em Maquiavel como guardião da liberdade
Authors: Castel, Karen Elena Costa Dal
metadata.dc.description.resumo: Esta dissertação trata de analisar as funções do povo em Maquiavel através dos clássicos O Príncipe e Discursos sobre a primeira década de Tito Lívio. Para isso, buscou-se conceituar povo na teoria maquiaveliana, tendo por alicerce alguns teóricos como McCormick, Larivaille, Bignotto, dentre outros. Também procurou-se aproximar a concepção de liberdade maquiaveliana em liberdade como não-dominação - conceito recuperado por Philip Pettit. O objetivo é focar o papel do povo na vida política, tendo por hipótese principal o mesmo como agente ativo na pólis e guardião da liberdade. Assim, diverge-se de correntes interpretativas que remontam a Strauss, Mansfield, Sasso, Chabod, Sfez e Skinner, as quais atribuem ao povo um papel passivo na política, servindo de instrumento ao príncipe e desejando apenas não ser oprimido. Este trabalho defende o papel do povo como elemento fundamental para manter a liberdade. Maquiavel delega essa função nos Discursos, justificando que o mesmo não deseja se apoderar dela. O povo preserva a liberdade visto que não quer ser dominado e, ao mesmo tempo, não possui o desejo dos Grandes de comandar
Abstract: This dissertation is to analyze the roles of the people in Machiavelli through the classic The Prince and Discourses on the first decade of Livy. For this, we sought to conceptualize people in the Machiavellian theory, by having some theoretical foundation as McCormick, Larivaille, Bignotto, among others. We have also tried to approach the concept of freedom in Machiavellian freedom as non-domination concept - recovered by Philip Pettit. The goal is to focus on the role of the people in political life, with the main hypothesis the same as an active agent in the polis and guardian of liberty. So diverges is interpretive trends dating back to Strauss, Mansfield, Sasso, Chabod, Sfez and Skinner, which people attach to a passive role in politics, serving as a tool to Prince and wishing not only be overwhelmed. This paper advocates the role of the people as key to maintaining freedom. Machiavelli delegates this function Talks, explaining that he did not want to seize it. The people preserving the freedom since they do not want to be overcome and, at the same time, does not have the desire of the Great command
Keywords: Povo
Maquiavel
Liberdade
Grandes
People
Machiavelli
Freedom
Great
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::CIENCIAS HUMANAS::CIENCIA POLITICA
metadata.dc.language: por
metadata.dc.publisher.country: BR
Publisher: Universidade Federal de Pelotas
metadata.dc.publisher.initials: UFPel
metadata.dc.publisher.department: Ciência Política
metadata.dc.publisher.program: Programa de Pós-Graduação em Ciência Política
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
URI: http://hdl.handle.net/123456789/1537
Issue Date: 22-Apr-2013
Appears in Collections:Pós-Graduação em Ciência Política: Dissertações e Teses

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Karen_Elena_Costa_Dal_Castel_Dissertacao.pdf630,2 kBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.