Please use this identifier to cite or link to this item: http://guaiaca.ufpel.edu.br:8080/handle/prefix/2993
metadata.dc.type: doctoralThesis
Title: Processos de empoderamento e a agroecologia: valorizando o trabalho das mulheres rurais?
Other Titles: Empowerment processes and agroecology: valuing the work of rural women?
metadata.dc.creator: Andersson, Fabiana da Silva
metadata.dc.description.resumo: A tese objetiva analisar processos de empoderamento presentes no cotidiano das mulheres agricultoras e agroecologistas da região sul do estado do Rio Grande do Sul (RS). Para tanto, foram realizadas 24 entrevistas em profundidade com as agricultoras e agentes de desenvolvimento dos municípios de Arroio do Padre, Pelotas e São Lourenço do Sul. A pesquisa se apoia em três eixos conceituais, quais sejam, agroecologia, gênero e empoderamento. A agroecologia é vista como uma ciência que propõe a transição de formatos convencionais de agricultura e de desenvolvimento para outros mais sustentáveis. A perspectiva de gênero é analisada a partir das construções sociais e de aspectos relacionais que marcam diferenças entre os sexos em termos da divisão social do trabalho. O empoderamento é entendido como um conjunto de processos que conduzem à ampliação das capacidades de vida e vivência das pessoas. Essa perspectiva inclui a esfera das decisões tomadas no ambiente doméstico, no que tange à produção para autoconsumo, à produção comercial (especialmente em termos do atendimento aos mercados institucionais e feiras livres) e nas questões produtivas estritamente técnicas. A análise dos depoimentos sugere que o exercício da agroecologia confere maior protagonismo às mulheres rurais, tanto no que se refere ao trabalho na lavoura, quanto em outras atividades atinentes ao fazer cotidiano das famílias rurais, como é o caso das relações tecidas no âmbito dos programas governamentais de comercialização. É importante destacar que, na medida em que a agroecologia não apenas restringe o uso de agrotóxicos, como também valoriza o saber fazer local, visibiliza o trabalho das mulheres nos espaços rurais. De certa forma, este fato denota a essas mulheres possibilidades de empoderamento. Neste sentido, se pode afirmar que a agroecologia, se comparada à agricultura convencional, na qual as práticas são majoritariamente vistas como atribuição masculina, reforça a importância da participação feminina na ampliação das dinâmicas em prol de formatos de agricultura mais sustentáveis.
Abstract: The thesis aims to analyze empowerment processes present in the daily lives of agriculturist and agroecologist women from the southern region of Rio Grande do Sul (RS) state in Brazil. To this end, 24 in depth interviews were conducted with the agriculturists and development agents of the municipalities Arroio do Padre, Pelotas and São Lourenço do Sul. The research is based on three conceptual axes, namely, agroecology, gender and empowerment. Agroecology is seen as a science which proposes the transition from conventional agriculture and development formats to more sustainable other ones. The gender perspective is analyzed from the social constructs and relational aspects that mark differences between the sexes in terms of the social division of labor. Empowerment is understood as a set of processes that conduct to the magnification of life capacities and people’s living. This perspective includes the sphere of decisions taken in the home environment, with respect to production for self-consumption, to the commercial production (especially in terms of attendance at institutional markets and free fairs) and in the strictly technical production questions. The analysis of the depositions suggests that exercise of agroecology gives greater protagonism to rural women, both with regard to work in the fields, as in other activities pertaining to the daily making of rural families, as is the case of relationships woven in the scope of governmental marketing programs. It is important to highlight that, to the extent that agroecology not only restricts the use of agrotoxics, but also values the local know-how, it makes visible the work of women in rural spaces. In a certain way, this fact denotes to these women empowerment possibilities. In this sense, we can affirm that agroecology, if compared to conventional agriculture, in which the practices are mostly seen as male attribution, reinforces the importance of female participation in the magnification of the dynamic towards more sustainable agriculture formats.
Keywords: Agricultura familiar
Autonomia
Gênero
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::CIENCIAS AGRARIAS::AGRONOMIA
metadata.dc.language: por
metadata.dc.publisher.country: Brasil
Publisher: Universidade Federal de Pelotas
metadata.dc.publisher.initials: UFPel
metadata.dc.publisher.department: Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel
metadata.dc.publisher.program: Programa de Pós-Graduação em Sistemas de Produção Agrícola Familiar
Citation: ANDERSSON, F. S. Processos de empoderamento e a agroecologia: valorizando o trabalho das mulheres rurais? 2014. 197f. Tese (Doutorado em Agronomia) – Programa de Pós-Graduação em Sistemas de Produção Agrícola Familiar, Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2014.
metadata.dc.rights: OpenAccess
URI: http://repositorio.ufpel.edu.br:8080/handle/prefix/2993
Issue Date: 27-Aug-2015
Appears in Collections:Pós-Graduação em Sistemas de Produção Agrícola Familiar: Dissertações e Teses

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Tese Fabiana Andersson.pdf3 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons