Please use this identifier to cite or link to this item: http://guaiaca.ufpel.edu.br:8080/handle/prefix/8208
metadata.dc.type: masterThesis
Title: “Cê vai se arrepender de levantar a mão pra mim” : uma análise interseccional da violência doméstica contra a mulher em Pelotas/RS
metadata.dc.creator: Santos, Andressa Amaral dos
metadata.dc.contributor.advisor1: Pinheiro, Robinson Santos
metadata.dc.description.resumo: A problemática da violência doméstica contra a mulher, além de ser um tema atual e pertinente, representa um assunto importante a ser debatido pela ciência geográfica. Nesta pesquisa, esta problemática foi analisada, não somente dentro das perspectivas espaciais, como também de abordagens culturais, socioeconômicas e geopolíticas. Pensando nisso, buscou-se compreender como os territórios e lugares das mulheres entrevistadas em Pelotas/RS, foram ressignificados em decorrência da violência doméstica que sofreram. Para contribuir no debate e ampliar as lógicas construídas socialmente e pelas políticas públicas, intentou-se analisar como esses conceitos se manifestam nos discursos dessas mulheres. Portanto, intentou-se caracterizar – raça, faixa etária e classe – as mulheres vítimas de violência doméstica entrevistadas em Pelotas/RS, assim como entender a perspectiva destas mulheres em relação a casa onde ocorreu a violência e ao seu corpo. Além de investigar como – e se – as mulheres vítimas de violência doméstica reproduzem ideais violentos em seus discursos e também demonstrar como as políticas públicas brasileiras de combate à violência doméstica contra a mulher atuam na transformação dos territórios e lugares das mulheres agredidas entrevistadas em Pelotas/RS. Esta pesquisa foi realizada por meio de uma abordagem interseccional reunindo questões de gênero, raça e classe. Para isso, foram utilizados o estudo de caso e a análise dialógica do discurso, a fim de compreender os territórios e lugares das mulheres vítimas de violência doméstica em Pelotas/RS. Desse modo, foi realizado um questionário online no qual se obteve oito respostas, servindo para captar os relatos dessas mulheres, analisando-os sob as óticas anteriormente elencadas. Para auxiliar nesta reflexão, foram discutidos os conceitos de território e lugar, que auxiliam a compreender a espacialidade material e simbólica dessas mulheres. Sendo assim, as epistemologias decolonial e interseccional, pautadas nas teorias de feministas negras, confluem em uma análise de um todo social, buscando compreender o contexto de formação social que corrobora para essas violências. Desse modo, compreende-se a violência doméstica contra a mulher como uma problemática complexa, que abriga em si diversas dualidades e nuances. Nesse sentido, as respostas das entrevistadas corroboraram com as perspectivas levantadas ao longo deste estudo, propiciando reflexões e considerações acerca da violência doméstica contra a mulher, que acabaram por responder os objetivos e inquietações anteriormente elencados, tendo, na questão discursiva, a evidência de uma não reprodução do discurso dominante. Por fim, conclui-se que as mulheres vítimas de violência doméstica estão por diversas vezes desamparadas pela legislação e pela sociedade em geral, mas que também sentem mais força seja para denunciar ou para superar a violência sofrida, tendo em vista que não incorporam para si o discurso dominante machista.
Abstract: The issue of domestic violence against women, beyond to being a current and pertinent topic, represents an important issue to be debated by geographic science. In this research, this issue was analyzed, not only from the spatial perspectives, but also from cultural, socioeconomic and geopolitical approaches. With this in mind, we sought to understand how the territories and places of the women interviewed in Pelotas/RS were reinterpreted as a result of the domestic violence they suffered. In order to contribute to the debate and expand the logics constructed socially and by public policies, an attempt was made to analyze how these concepts are manifested in the speeches of these women. Therefore, it was intended to characterize – race, age and class – the women victims of domestic violence interviewed in Pelotas/RS, as well as to understand the perspective of these women in relation to the house where the violence occurred and to their bodies. In addition to investigating how – and if – women victims of domestic violence reproduce violent ideals in their speeches and also demonstrate how Brazilian public policies to combat domestic violence against women act in the transformation of territories and places of battered women interviewed in Pelotas/ LOL. This research was carried out through an intersectional approach bringing together issues of gender, race and class. For this, case study and dialogic discourse analysis were used in order to understand the territories and places of women victims of domestic violence in Pelotas/RS. Thus, an online questionnaire was carried out, in which eight responses were obtained, serving to capture the reports of these women, analyzing them from the perspectives listed above. To assist in this reflection, the concepts of territory and place were discussed, which help to understand the material and symbolic spatiality of these women. Thus, the decolonial and intersectional epistemologies, based on the theories of black feminists, converge in an analysis of a social whole, seeking to understand the context of social formation that supports this violence. In this way, domestic violence against women is understood as a complex issue, which encompasses several dualities and nuances. In this sense, the answers of the interviewees corroborated the perspectives raised throughout this study, providing reflections and considerations about domestic violence against women, which ended up answering the objectives and concerns previously listed, having, in the discursive question, the evidence of a non-reproduction of the dominant discourse. Finally, it is concluded that women victims of domestic violence are often helpless by the legislation and by society in general, but they also feel more strength either to denounce or to overcome the violence suffered, considering they do not incorporate for themselves the male chauvinist dominant discourse.
Keywords: Geografia e gênero
Violência doméstica contra a mulher
Interseccionalidade e decolonialidade
Território e lugar
Políticas públicas
Geography and gender
Domestic violence against women
Intersectionality and decoloniality
Territory and place
Public policy
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::CIENCIAS HUMANAS::GEOGRAFIA
metadata.dc.language: por
metadata.dc.publisher.country: Brasil
Publisher: Universidade Federal de Pelotas
metadata.dc.publisher.initials: UFPel
metadata.dc.publisher.department: Instituto de Ciências Humanas
metadata.dc.publisher.program: Programa de Pós-Graduação em Geografia
Citation: SANTOS, Andressa Amaral dos. San“Cê vai se arrepender de levantar a mão pra mim” : uma análise interseccional da violência doméstica contra a mulher em Pelotas/RS. Orientador: Robinson Santos Pinheiro. 2021. 111 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) - Instituto de Ciências Humanas. Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2021.
metadata.dc.rights: OpenAccess
URI: http://guaiaca.ufpel.edu.br:8080/handle/prefix/8208
Issue Date: 1-Oct-2021
Appears in Collections:PPGeo: Dissertações e Teses

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Andressa_dos_Santos_Dissertação.pdf2,58 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons