Please use this identifier to cite or link to this item: http://guaiaca.ufpel.edu.br:8080/handle/123456789/1894
metadata.dc.type: masterThesis
Title: A autonomia dos usuários de um Centro de Atenção Psicossocial nas relações cotidianas
Other Titles: Autonomy of users of a psychosocial care center in daily relations
metadata.dc.creator: Clasen, Bianca Neme
metadata.dc.description.resumo: A autonomia incide na condição de autodeterminação e autogoverno. Considerando esta assertiva, o presente estudo teve como objetivo reconhecer manifestações das autonomias atitudinal, funcional e emocional na expressão das relações cotidianas dos usuários de um CAPS do município de Alegrete-RS. Trata-se de um estudo qualitativo, descritivo e analítico. Os sujeitos foram 11 usuários. A coleta de dados ocorreu através de entrevistas realizadas no segundo semestre de 2006. Os dados foram analisados à luz do referencial teórico, que compreende as autonomias atitudinal, funcional e emocional. Com relação à autonomia atitudinal, observa-se que há por parte dos usuários a manifestação das principais aptidões e desejos nas atitudes nos âmbitos do autocuidado, no estabelecimento de relações interpessoais e para o trabalho. A autonomia para o autocuidado aparece, sobretudo, na expressão das práticas com relação à higiene, ao cuidado com a saúde do corpo e ao envolvimento de alguns usuários para que não deixe de haver o fornecimento continuado dos psicofármacos pelo Sistema Único de Saúde a todos aqueles que os utilizam. A autonomia atitudinal para estabelecer relações interpessoais pôde ser apreendida através do exercício do desejo e da decisão de com quem , em que situações e como se relacionar, intervir ou manejar situações . A autonomia atitudinal para o trabalho emerge no contexto do trabalho protegido nas oficinas, quando o trabalho se dá no espaço do CAPS. Acerca da autonomia funcional, observa-se que a maioria dos sujeitos mostra-se capaz de tomar decisões por si só e de traçar estratégias para alcançar e concluir metas. Nesta pesquisa, a funcionalidade caracteriza-se por manter uma regularidade, permitindo que as situações de tomada de decisão se repitam no cotidiano da vida, enquanto que a atitudinalidade é uma manifestação esporádica ou mesmo singular. O autocuidado é retratado por meio de práticas sistemáticas de cuidado com a saúde do corpo, pela manutenção do tratamento psiquiátrico e pela possibilidade de manter fluida a funcionalidade das condutas cotidianas através do benefício que muitos usuários recebem do governo. A autonomia para cuidar dos afazeres domésticos também foi evidenciada nos discursos. Relações de cuidado cotidiano com o outro, bem como a condição de ser capaz de circular pelo território em busca de estabelecer ou manter relações de amizade e de troca também foram observadas como condições importantes de exercício da autonomia funcional. A autonomia para a prática do trabalho aparece sob diferentes níveis conforme a condição de independência na 7 qual os sujeitos se encontram, oscilando desde a situação de realização de trabalho assistido, em ambiente protegido e com intuito terapêutico, até a de exercício de trabalho formal e assalariado. A autonomia emocional também é um atributo presente nos relatos, denotando a condição de autoconfiança e independência emocional em relação a outras pessoas. Essa condição aparece sob a forma de autovalorização e estabelecimento de relações solidárias, alimentadas pela autoconfiança e autoeficácia. Conclui-se, portanto, que o objetivo da pesquisa está contemplado nos depoimentos, de maneira que as autonomias supramencionadas se fizeram presentes nas relações cotidianas dos onze sujeitos estudados.
Abstract: The autonomy concerns the condition of self-determination and self-governance. Considering this affirmation, this study it had as objectives to know manifestations of the autonomies attitudinal, functional and emotional in expression of daily relations of users of a CAPS of municipality of Alegrete-RS. This is a qualitative, descriptive and analytical study. The subjects were 11 users. The data was collected through interviews held in the second semester of 2006. The data were analyzed in the light of the theoretical referential that understands the autonomies attitudinal, functional and emotional. With regard to the attitudinal autonomy it is observed it has on the part of the users the manifestation of the essential aptitudes and desires in the attitudes in areas of self care, in establishing interpersonal relations and for the work. The autonomy for the self care appears, over all, in the expression of practices related to hygiene, health care of the body through physical exercise and the commitment of some users to not leave to have the continuous supply of psychotropic drugs by the System of Health to all those who use them. The attitudinal autonomy to establish interpersonal relationships might be perceived through the exercise of desire and the decision of "with who", "in which situations" and "how to relate to, manage or intervene situations . The attitudinal autonomy for work emerges in the protected context of the work, in workshops, when the work happens in the space of the CAPS. Concerning the functional autonomy, it is observed that majority of subjects reveals to be capable of making decisions by themselves and trace strategies to achieve and to complete the goals. At this research, the functionality is characterized by maintain regularity, allowing the cases of decision making recur in daily life, while the attitudinal is an individual expression or even sporadic. The selfcare is portrayed through systematic practices of health care of the body, the maintenance of psychiatric treatment and the possibility to keep the functionality of daily conduits through the benefit that many users receive from the government. The autonomy to take care of domestic tasks was also evident in the speeches. Relations of daily care with the other, as well as the condition of being able to circulate for the territory seeking to establish or maintain relations of friendship and exchange had been also observed as important conditions for the exercise of functional autonomy. The autonomy to practice the work appears under different levels of independence as a condition in which subjects are, oscillating since the situation of accomplishment of assisted work, in protecting environment and with therapeutic intent, until to the 9 exercise of formal and wage-earning employment. The emotional autonomy is also an attribute in the reports, denoting the condition of self-reliance and emotional independence in relation to other people. This condition appears under the form of self-worth and the establishment of supportive relations, fueled by self-confidence and self-efficacy. Closes up, so that the purpose of the research are included in all testimonials, so the above autonomy were present in daily relationships of eleven subjects.
Keywords: Saúde mental
Reforma psiquiátrica
Autonomia pessoal
Mental health
Psychiatric reform
Personal autonomy
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::CIENCIAS DA SAUDE::ENFERMAGEM::ENFERMAGEM PSIQUIATRICA
metadata.dc.language: por
metadata.dc.publisher.country: BR
Publisher: Universidade Federal de Pelotas
metadata.dc.publisher.initials: UFPel
metadata.dc.publisher.department: Faculdade de Enfermagem
metadata.dc.publisher.program: Programa de Pós-Graduação em Enfermagem
Citation: CLASEN, Bianca Neme. Autonomy of users of a psychosocial care center in daily relations. 2010. 104 f. Dissertação (Mestrado em Enfermagem e Obstetrícia) - Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2010.
metadata.dc.rights: OpenAccess
URI: http://hdl.handle.net/123456789/1894
Issue Date: 21-Dec-2010
Appears in Collections:Pós-Graduação em Enfermagem: Dissertações e Teses

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
BIANCA NEME CLASEN.pdf405,68 kBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.